Na era da Inteligência Artificial (IA), sermos mais humanos será o grande fator de diferenciação

20-05-2023

Se pudesse escolher uma sinopse para este texto seria: perante a IA, seremos todos menos substituíveis se formos mais humanos.

Vivemos milhares de anos a acreditar que a nossa superioridade como espécie se deve, quase em exclusivo, ao nosso neocórtex, zona do nosso cérebro onde, principalmente, o conhecimento é armazenado e processado, sendo ainda responsável por funções cognitivas complexas, como o pensamento racional, a linguagem, a memória e a aprendizagem.

Passámos por três revoluções industriais, desde a invenção da máquina até à digitalização em massa que, essencialmente, vieram facilitar a vida do ser humano, embora com perdas de milhões de empregos. Do ponto de vista conceptual, a automação sempre foi vista como algo, somente, fantástico.

E eis que surge a IA e o medo de sermos “substituídos” atinge um patamar diferente. Embora a IA tenha surgido como objetivo primário de suportar o homem, acaba por, acima de tudo, o desafiar naquilo que o diferenciava e lhe dava "supremacia" perante as máquinas e outros animais: o conhecimento.

Este ano, no World Economic Forum abordou-se, precisamente, a problemática do impacto da IA nos empregos de “colarinho branco”, os empregos do conhecimento. Nesta conferência, Erik Brynjolfsson, académico norte-americano da Universidade de Stanford, referia: “Há sempre uma onda de preocupação e de medo relativamente à perda de postos de trabalho e ao facto de haver ou não desemprego em massa. O que a IA está a fazer é mudar a forma como trabalhamos, mas mantendo os humanos no circuito”.

De forma muito particular, existem duas grandes áreas em que a IA não pode substituir o homem, pelo menos integralmente, na criatividade e na inteligência emocional.

A IA tem a capacidade de processar grandes quantidades de informação, permitindo realizar tarefas com um alto nível de complexidade e precisão. No entanto, a IA não possui emoção, limitando a capacidade de compreender a complexidade das relações humanas, a empatia, o cuidado e a conexão que trazemos para as nossas interações. A IA pode ser programada para tomar decisões com base em processos pré-estabelecidos, mas não tem ainda a capacidade de compreender a gravidade de uma situação ou de usar o chamado “bom senso” que, infelizmente, por vezes parece algo em vias de extinção na raça humana.

É indiscutível a necessidade de reestruturarmos e redesenharmos o trabalho, mas acredito que todos nós teremos de encontrar o nosso “lugar” nesta nova era económica e social. Por agora, as tendências abordam o conceito “complementaridade” entre o homem e a IA. Erik Brynjolfsson referiu, ainda em Davos, que a grande maioria das profissões existentes não poderão, para já, ser integralmente substituídas por machine learning. Este momento de disrupção dar-nos-á a oportunidade de ter trabalhos menos rotineiros, mais “plenos” e acima de tudo mais human centered.

Acredito, ainda, que esta nova era nos trará o peso da responsabilidade de sermos, finalmente, mais human to human, de “termos tempo e oportunidades” para desenvolver a nossa inteligência emocional, a nossa empatia e quem sabe, de darmos o benefício da dúvida ao nosso instinto, comandado em grande parte pelo nosso cérebro reptiliano, a parte mais antiga do cérebro, em desenvolvimento há milhões de anos. 

Não no futuro, mas já hoje, é essencial que os CEOs e os profissionais de Recursos Humanos comecem a desenhar uma estratégia a médio-longo prazo que incida na conciliação de todos estes desafios e de como se vai reconfigurar o mercado de trabalho. O reskilling tecnológico é incontornável, para que tenhamos as competências necessárias para trabalhar “par a par” com a tecnologia. Além disso, verifica-se uma importância crescente ao nível da conciliação da criatividade e inovação com outras de caráter científico, como as Ciências, Tecnologia, Engenharia, Artes e Matemática - competências STEAM - valorizando-se o pensamento crítico e analítico, a tomada de decisão, a resolução de problemas, entre outras soft skills, cada vez mais procuradas no mercado de trabalho.

No final do dia, e inteligências à parte, talvez seja importante refletirmos que somos pessoas e isso é a única coisa que a IA não poderá substituir.



Escrito por Sara Ferreira, 

Commercial and Marketing Manager da Multitempo by JobandTalent



Artigo publicado pela Human Resources Portugal

 

*Texto escrito ao abrigo do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990 em vigor desde 2009.

Other News

Fomos eleitos um dos "Me...

Na categoria de "Trabalho Temporário", numa iniciativa promovida pela APG - Associação Portuguesa de Gestão das Pessoas, em colaboração com as empresas Qmetrics e MQ - Mínimos Quadrados. 

22/02/2024

Confiança gera autentici...

Todas as transformações sociais a que temos assistido nos últimos anos têm contribuído para a mudança das prioridades das pessoas, impulsionando as organizações a desenvolverem reajustes na sua cultura, nos modelos de trabalho, nos seus processos e até na gestão “core” dos seus negócios.

12/01/2024

Novos recrutamentos Mult...

A ação de recrutamento, organizada pela Multitempo by Job&Talent, pretende preencher mais de 500 vagas para os principais aeroportos portugueses e realiza-se na próxima semana, entre os dias 10 e 17 de janeiro.

04/01/2024

Isabel Borges nomeada pa...

Isabel Borges, Country Manager da Multitempo by Job&Talent, foi nomeada para a lista "2023 Global Power 150 - Women in Staffing" da Staffing Industry Analysts.

16/11/2023

Multitempo by Job&Talent...

«Talk & Share – Humanize: Construindo o Futuro do Trabalho e das Organizações» é o nome do evento promovido pela Multitempo by Job&Talent em parceria com o Brands Like Brands, que promete criar um impacto significativo no cenário corporativo em Portugal.

03/11/2023

Integração de pessoas co...

A promoção do crescimento económico inclusivo e sustentável, o emprego pleno e produtivo, e o trabalho digno para todos são propósitos inscritos nos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU.

09/08/2023